Revista de Ciência Elementar

Radicais livres

Autor: Carlos Corrêa

Editor: Jorge Gonçalves

Resumo

A palavra radical era utilizada em Química Orgânica para designar um agrupamento de átomos ligados entre si, como o radical metilo, CH3, que existia ligado a outros átomos, formando compostos estáveis, como o tolueno, CH3-Ph, o cloreto de metilo, CH3-Cl, e muitos outros. Não se sabia que o radical metilo podia existir livremente, desligado de outros átomos, constituido um radical livre.

Em 1900, o químico Mose Gomberg (1866-1947) verificou que o hidrocarboneto hexafeniletano, Ph3C-CPh3, se dissociava gerando dois radicais trifenilmetilo, Ph3C, o primeiro radical livre orgânico identificado. Wieland, em 1915, considerou os radicais livres como "complexos de valência anormal que possuem propriedades aditivas, mas que não possuem carga eléctrica e não são iões livres." Note-se que esta definição não inclui os iões-radicais.